Cortesía de Hangar

Movimento Continuo

  • Entidades Organizadoras

    Hangar Centro de Investigação Artística
  • DETALHES Movimento Contínuo é uma exposição sobre processos. Explora as áreas comuns que são geradas a partir de um olhar múltiplo sobre projetos em constante desenvolvimento, que criam as situações que compõem a exposição. Durante quatro semanas consecutivas, os artistas Marco Godoy, Aimée Zito Lema, Priscila Fernandes com Jay Tan e Nuno da Luz vão trabalhar no espaço da galeria do Hangar (um artista por cada semana) com trabalhos processuais e de natureza investigativa. A cada Sábado, às 17h, ocorrerá um evento durante o qual serão repensados e examinados os jogos e as acções desenvolvidos durante a semana. Os ritmos e dinâmicas dos trabalhos fazem com que a exposição possa ser visitada mais do que uma vez, já que cada visita será parte de um todo. Marco Godoy propõe trazer para o espaço as estratégias utilizadas pelos carteiristas e aplicá-las ao uso que fazemos das imagens para gerar alquimias e magia. Aimée Zito Lema parte da tradição oral que une um arquivo coletivo na transmissão de um sintoma herdado pelas novas gerações em relação ao regime autoritário do Salazar. Priscila Fernandes, em colaboração com Jay Tan, desenvolve um discurso sensorial, perceptivo e cognitivo por meio da troca de trabalhos que visualizam a vulnerabilidade do processo. Nuno da Luz explora as reverberações do espaço expositivo submetido à constante flutuação das vibrações lançadas por aparelhos de som. BIOGRAFIAS Violeta Janeiro Alfageme (1982) é curadora e investigadora. O seu trabalho centra-se principalmente em práticas de arte colaborativa, política de conhecimento e formas alternativas de produção, recepção e direção da arte. Violeta Janeiro trabalhou na 52ª Bienal de Veneza, no Guggenheim Museum New York (Curatorial Fellowship) e no Consulado de Espanha em Xangai. Atualmente está preparando sua tese de Doutorado na Universidade de Santiago de Compostela sobre arte colaborativa na Espanha durante a década de 1990. Em 2017, foi curadora assistente do Pavilhão espanhol na 57ª Bienal de Veneza. Dentre suas curadorias destacam-se: Continente e Conteúdo: Centros Espanhóis de Arte Contemporânea, Universidade de Tongji e Instituto Cervantes em Xangai (2009), Influências: uma rota através do Espaço Cultural Europeu, Pavilhão da UE na EXPO Xangai (2010), Várias formas de amizade na Galeria Goma, Madrid (2016-17), Exercícios em torno do conceito de pós-verdade (2017). Em julho de 2017, completou uma Residência Curatorial na CIA em Buenos Aires (Argentina). Marco Godoy estudou Belas Artes na Universidade Complutense de Madri (UCM) e na Escola do Instituto de Arte de Chicago. Possui mestrado em fotografia do Royal College of Art (2014). Marco Godoy apresenta um trabalho que parte da sociedade e dos direitos, estando ligado ao contexto em que se realizam. As obras se originam como questões sobre as fraturas do sistema, gerando hipóteses visuais através de modificação, documentação e reorganização como estratégias de trabalho. As imagens produzidas são concebidas como pontos de partida para um diálogo sobre a construção do nosso paradigma. Para fazer isso, usa a media como intervenção, fotografia e vídeo. Seus trabalhos foram exibidos em galerias e instituições como o Centro Pompidou (2016), a Galeria Whitechapel (2015), o Templo Contemporâneo Filadélfia (2015), o Palácio de Tóquio (2015), o Museu de Arte Contemporânea de Herzliya Tel Aviv (2015), Edimburgo Festival de Arte (2015), Dados Negros (2015), Matadero Madrid (2015), ICA Londres (2015), La Panera Lleida (2015), Bienal de Liverpool, Stedelijk Museum-Hertogenbosch (2014), Dallas Museum of Contemporary Art (2014) , E Galería Barcelona (2014), Siart Bienal La Paz (2013), Tabacalera Madrid (2012), Lugar a dudas Colômbia (2012), entre outros. Priscila Fernandes (Coimbra, 1981), vive e trabalha em Roterdão, Holanda. Licenciou-se em Pintura no National College of Art and Design, em Dublin, na República da Irlanda, e fez o mestrado em Belas-Artes no Piet Zwart Institute, Willem de Kooning Academy da Universidade de Roterdão. O trabalho de Priscila Fernandes apresenta propostas no campo da instalação, pintura e vídeo. Em sua produção, Priscila Fernandes reflete sobre o impacto dos contextos industrial e pós-industrial na vida dos indivíduos e em sua percepção sensorial. Em vídeos, publicações, desenhos, pinturas, performances e instalações sonoras, ela aborda as disputas sociais que estão no centro de decisões estéticas de diferentes movimentos modernos. Algumas exposições individuais recentes: 2015 / Those bastard in caps come to have fun and relax by the seaside instead of continuing to work in the factory. TENT, Rotterdam, NL. 2014 / Ces salopards en casquettes venus se divertir et se reposer au bord de la mer au lieu de continuer à travailler à l’usine. PHAKT Centre Culturel Colombier, Rennes, FR. 2014 / Against the Enamel, Künstlerhaus Bethanien, Berlin, DE. 2014 / ¿Y EL ARTE?, Espai13, Fundació Joan Miró, Barcelona, curated by Juan Canela and Ane Agirre Loinaz. Participou em colectivas: 2017 / Itinerância Incerteza Viva, Museu Serralves, Porto, PT. 2017 / Coleção António Cachola, Elvas, PT (forthcoming), 2017 / Terra, Solar, Vila do Conde, PT (forthcoming), 2017 / Free Play, Västerås Museum, SE. Curated by Katrin Ingelstedt (ongoing). 2017 / Dreaming of Cockaigne, Het Wilde Weten, Rotterdam, NL. 2017 / Lockers, Stedelijk Museum, Amsterdam, NL. Aimée Zito Lema (Amsterdão, 1982, cresceu em Buenos Aires) estudou na Universidade das Artes, Buenos Aires, na Academia Gerrit Rietveld, em Amsterdão, e completou o Mestrado em Pesquisa Artística na Royal Academy em Haia (2009 – 2011). Em seu trabalho Aimée Zito investiga a forma como os acontecimentos são lembrados, gravados e como eles influenciam o futuro, lidando com memórias e traumas de forma poética. Entre seus projetos e exposições atuais e recentes estão: 11ª Bienal de Gwangju, Prêmio Dorothea von Stetten no Kunstmuseum Bonn (2016), L’Art de la Revolte – Hors Pistes – Centre Pompidou Paris (2016), o projeto Body At Work, em Casco, escritório de design e teoria da arte, Utrecht (2013 – 2014). Foi artista-em-residência em ‘Het Vijfde Seizoen’, Den Dolder (2011), palestrante na Academia Gerrit Rietveld de Amesterdão e na Royal Academy em Haia e professora convidada em ArtEZ, Arnhem (2014). Aimée recebeu bolsas de estudos do Mondrian Found, Amsterdams Fonds voor de Kunst e Prins Bernhard Cultuurfonds. Zito Lema concluiu recentemente o programa Artist-in-residency na Rijksakademie Amsterdam (2015 – 2016). Nuno da Luz (Lisboa, 1984) vive e trabalha em Lisboa. Artista e publicador, o seu trabalho circunscreve tanto o auditivo como o visual na forma de eventos sonoros, instalações e material impresso; estes últimos na sua maioria distribuídos pela publicadora atlas Projectos (em conjunto com André Romão e Gonçalo Sena) e pela editora discográfica Palmario Recordings (em conjunto com Joana Escoval). Recentemente terminou o programa de mestrado Experimentação em Arte e Política speap em Sciences Po, Paris e fundou o colectivo pluridisciplinar coyote, que investiga novas formas de comum-ificação (criar comunidade) via publicações, filmes, conferências e outros formatos experimentais (em conjunto com os artistas Tristan Bera e Ana Vaz, a jornalista Elida Høeg e a editora Clémence Seurat). Projectos mais recentes incluem as performances ao vivo “com Ressonância Assistida” em Ficarra (Itália), Paris, Nova Iorque, Porto e Berlim; assim como a sua exposição individual environments no Solar – Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde. Outras exposições individuais incluem RWSNK ECHOS, Kunstraum Botschaft, (Berlim, 2017), Sud e Magia, Syntax (Lisboa, 2016), Wilderness, Galeria Vera Cortês (Lisboa, 2015), laissez vibrer, enblanco projektraum (Berlim, 2013) e cave/Solar (Vila do Conde, 2013), e “O nosso silêncio é um aviso, o nosso silêncio é sólido”, Vera Cortês Art Agency (Lisboa, 2012). Exposições colectivas mais recentes incluem, entre outras, “cidra da luz escoval manso mendes romão sena”, AR Sólido (Lisboa, 2015), “Ficarra_Contemporary Divan”, Palazzo Milio (Ficarra, 2015), “A polyphonic wave of of concrete materials flowing through the air”, Espaço Artes (Porto, 2014), e “12 Contemporaries: Present States”, Museu de Serralves (Porto, 2014). Tem participado em diversos programas de residência, nomeadamente, Cité internationale des arts (2015), Residency Unlimited (2014), e Sound Art Braunschweig Projects (2013).

  • Dónde

    Hangar Centro de Investigação Artística / Lisboa, Portugal
  • Inauguración

    21 nov de 2017
  • Publicaciones

    Nota de prensa


  • Artistas que participan en Movimento Continuo


    Comisarios/Curadores de Movimento Continuo


Noticias relacionadas con Movimento Continuo


Recibe alertas de eventos como éste

ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

descargar