sem titulo

A Minha Poesia Covarde

  • Entidades Organizadoras

    Lombardi Galería
  • A Lombardi Galeria, de Álvaro Lombardi, inaugura sua sede com a mostra "A Minha Poesia Covarde", do fotógrafo paulistano Fabiano Al Makul, sob curadoria de Diógenes Moura. Composta por 30 imagens que exploram o fascínio do artista por cenas simples e espontâneas, encontradas ao acaso, a exposição é um aprofundamento na produção recente do artista, que chama atenção pelo olhar detalhista em busca de elementos como sombra e luz, conectando as cenas através da composição de polípticos pautados pela cor. Após processo de aglutinar para selecionar, artista e curador optaram por criação de dípticos e/ou trípticos não apenas influenciados por sua gama cromática, mas um amalgama de conceitos e lembranças também baseados na cor. Sem definição conceitual prévia dos temas a serem registrados, Fabiano Al Makul segue a paixão que apreende o olhar quando se depara com o momento. Seus registros se apresentam como músicas visuais. A história por traz da imagem registrada, real ou imaginária, compõe a obra final. "Uma fotografia será sempre um retrato e um retrato será sempre um veredito”, declara o curador. Seus personagens são todos e nenhum. Na atual seleção, o humano aparece apenas em poucos registros, mas apenas como composição. Elementos ordinários do cotidiano, a pintura desgastada no asfalto, detalhes da arquitetura, destaques da natureza, a cadeira vazia. Temas banais elevados a categoria de obras de arte com a sofisticação do olhar no momento preciso da fotografia. “É irritantemente belo. Esse drama, em poética, é o esplendoroso”, diz o artista. As imagens de Fabiano Al Makul contêm as referências das cidades por onde vagou, com câmera na mão, vítima do encontro ao acaso. Como um segredo, cada uma delas rompe a covardia de um verso. Nas palavras do curador: “Nesse limite, não há saída: ou tudo, ou nada". “'A Minha Poesia Covarde' não é apenas um verso. Fabiano Al Makul não é apenas um fotógrafo. É transeunte. Ou 'enxerga' a cidade e sobrevive ou a 'vê' e desaparece. Eis a decisão final. Trata-se de um jogo no singular, um retrato, um livro aberto que página por página poderá mudar a cada instante”, define Diógenes Moura.

  • Horario

    Segunda a sexta-feira, das 10 às 19h / Sábado, das 12 às 16h
  • Dónde

    Lombardi Galeria / São Paulo, Sao Paulo, Brasil
  • Inauguración

    20 sep de 2017  /  19:00

  • Artistas que participan en A Minha Poesia Covarde


    Comisarios/Curadores de A Minha Poesia Covarde

     

     



Recibe alertas de eventos como éste

ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

descargar